Aviso sobre medicamentos perigosos: muitos princípios contaminados

Aviso sobre medicamentos perigosos: muitos princípios contaminados

Depois das drogas "falsas", falsas em todos os aspectos, o caso das pílulas "autoras" contaminadas agora está explodindo. Segundo a denúncia dos produtores italianos dos ingredientes ativos, trata-se de pelo menos um pacote em cada dez, as moléculas que transformam um comprimido em um medicamento. Os medicamentos produzidos por grandes indústrias, regularmente autorizados pelas autoridades competentes, conteriam ingredientes ativos "contaminados", ingeridos a baixo custo em países principalmente na Ásia, onde o máximo de controle previsto são as autocertificações daqueles que os vendem.

«Cerca de 70% do mercado europeu é invadido por ingredientes ativos provenientes de países como China e Índia, onde as plantas estão longe do controle das autoridades européias. Não é arriscado acreditar que mais de 10% dos medicamentos à venda são compostos de substâncias contaminadas ou não puras ”, alerta Gian Mario Baccalini, presidente da Aschimfarma (Federchimica), a associação nacional de fabricantes de ingredientes ativos. "Como regra geral - ele explica - um ingrediente ativo deve ser 95% puro, mas circulam embalagens com apenas 70% de substâncias puras, com alto risco toxicológico".

Os ingredientes ativos farmacêuticos são um setor industrial em que a Itália ainda está forte, mas a corrida para o preço mais baixo dos medicamentos "sem patente" acabou abrindo as portas para um mercado que não oferece garantia de segurança. "Não é coincidência que o fenômeno de ingredientes ativos contaminados seja mais difundido entre medicamentos genéricos", explica Baccalini. Mas o perigo é estendido a todos os medicamentos não patenteados, incluindo os "designers". Produtos que competem pelo mercado de pílulas e xaropes com quedas de preços e que também aconselham grandes multinacionais a investir para controlar os locais de produção no leste. Por outro lado, são realizadas verificações nas moléculas de medicamentos ainda cobertas por patentes, que têm preços muito mais altos e, portanto, lucratividade.

Números sobre a extensão do fenômeno até agora ninguém o havia dado, mas o problema já havia explodido em 2008, quando um anticoagulante contaminado, a heparina "chinesa", causou 149 mortes apenas nos Estados Unidos. Mais recentemente, grandes quantidades de gentamicina, a substância ativa de um antibiótico conhecido, foram retiradas na Alemanha. Na Itália, os núcleos antisofisicados dos carabinieri apreenderam grande quantidade de mesalazina, um antiinflamatório intestinal generalizado, também neste caso adulterado.

O problema é que os princípios farmacêuticos se tornaram um negócio de ovos de ouro. "Um euro de cocaína ganha 16 euros, investindo 60 euros em ingredientes ativos rende 150 mil", explica o comandante da Nas, Cosimo Piccinno. Para conter o fenômeno, as Nas pedem para poder montar um corpo especial dedicado a combater o fenômeno das pílulas contaminadas. Esperando os 28 países membros do Conselho da Europa aprovarem o Plano Medicrime em Bruxelas em 47 de outubro para punir aqueles que fabricam moléculas farmacêuticas artificiais. Sanções penais que não estão previstas fora de nossas fronteiras.

A verdadeira arma vencedora - afirma Aschimfarma - seria tornar os controles obrigatórios em países onde eles não existem, financiando-os com um imposto ad hoc sobre as indústrias farmacêuticas, como é feito nos Estados Unidos, e introduzindo o reconhecimento mútuo com certificados americanos. Uma proposta "compartilhável" do vice-presidente da Farmindustria, Emilio Stefanelli, que adverte: "Qualquer notícia que tenha repercussão na livre circulação de mercadorias deve ser aceita pela Europa, caso contrário, corremos o risco de ser lembrados". Riscos certamente inferiores aos que as drogas contaminadas representam para a saúde.


fonte: www.lastampa.it

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.

0
comparatilhe