A vacina contra coqueluche pode causar ferimentos e/ou morte?

A vacina contra coqueluche pode causar ferimentos e/ou morte?

A vacina contra coqueluche pode causar ferimentos e/ou morte?

O artigo a seguir tenta lançar luz sobre o vasto mundo das reações adversas, com um olhar específico para a contra a coqueluche, mas recomendamos que você leia todos os focos listados abaixo para entender as outras questões relacionadas, como o problema das vacinas múltiplas , a hipersensibilidade a um ou mais compostos da vacina, o problema da SIDS e dos adjuvantes. A maioria das vacinas no mercado é produzida, para fins comerciais, muitas vezes em formulações múltiplas, o que torna o tema dos danos causados ​​pelas vacinas muito mais amplo.

A bactéria B. pertussis, causadora da doença pertussis e que foi modificada em laboratório para produzir a vacina pertussis, contém várias toxinas que podem causar inflamação no corpo. A toxina pertussis (PT) é uma das toxinas mais letais da natureza e induz linfocitose, leucocitose, estimula a secreção de insulina e sensibiliza a histamina, envolvida na resposta inflamatória do sistema imunológico(1) e acredita-se que a toxina pertussis seja o principal componente responsável pela inflamação cerebral durante B. pertussis pertussis pertussis ou após a injeção de vacinas contendo pertussis.(2-3)
Outra toxina produzida pela bactéria B. pertussis durante a infecção natural é a endotoxina, que também está presente nas vacinas pertussis em quantidades variadas. Quando o sistema imunológico detecta a presença de endotoxinas, ele monta uma resposta imune inflamatória defensiva, incluindo a liberação de grandes quantidades de histamina que, sob certas circunstâncias, pode levar a febre alta, inchaço, diarréia, colapso, choque e morte.(4)

Em 1991, o Instituto de Medicina (IOM) e a Academia Nacional de Ciências dos EUA divulgaram o primeiro de quatro relatórios nos quais revisaram a literatura médica em busca de evidências de que as vacinas poderiam causar ferimentos e morte.(5) A revisão da literatura foi motivada pelo National Childhood Vaccine Injury Act de 1986, a contraparte americana de nosso Act 210/92, e o Relatório do IOM de 1991 sobre os efeitos adversos das vacinas contra coqueluche e rubéola(6) concluiu que "as evidências são consistentes com uma relação causal entre a vacina DPT e a encefalopatia aguda (inflamação do cérebro) e 'estado de choque incomum'(7) e que "as evidências apontam para uma relação causal entre a vacina DPT e choque (anafilaxia) e choro prolongado e inconsolável".(8)

Em 1994, o IOM publicou o relatório intitulado "DPT Vaccine and Chronic Dysfunctions of the Nervous System"(9) depois de revisar o acompanhamento de 10 anos do estudo NCES do Reino Unido e concluiu que “Os dados do NCES são consistentes com a possibilidade de que algumas crianças sem anormalidades cerebrais ou metabólicas subjacentes possam apresentar doença neurológica aguda grave dentro de 7 dias após receber DPT e que a doença aguda possa ter sequelas crônicas do sistema nervoso.…com a possibilidade de que algumas crianças com anormalidades cerebrais ou metabólicas subjacentes possam desenvolver disfunção crônica do sistema nervoso devido a doença aguda desencadeada por DPT. O Comitê concluiu que o equilíbrio das evidências é consistente com uma relação causal entre DPT e as formas de disfunção crônica do sistema nervoso descritas no NCES em crianças que apresentam doença neurológica grave aguda dentro de 7 dias após a administração da vacina DPT. Esse risco neurológico grave é um evento raro e o excesso de risco estimado varia de 0 a 10,5 por milhão de vacinações”.(10)

Pesquisas publicadas também concluíram que a vacina pertussis de células inteiras é capaz de causar reações muito mais graves, como gritos agudos,(11) episódios hipotônicos/hiporresponsivos,(12) convulsões febris ou afebris,(13-14) e inflamação cerebral.(15-16-17) Entre 25 e 60% das crianças que desenvolvem encefalite aguda ou encefalopatia ou que têm convulsões, incluindo convulsões febris, por qualquer motivo, ficam com alterações de personalidade, atrasos no desenvolvimento, dificuldades de aprendizagem, TDAH, convulsões, QI, fala, motor e comportamento mais baixos transtornos e outras deficiências.(18-19-20-21-22)

Um estudo americano de 1981 financiado pelo FDA e realizado na Universidade da Califórnia em Los Angeles descobriu que convulsões ou colapsos/choque ocorreram a uma taxa de 1 em cada 875 injeções de DPT.(23) Além disso, algumas das crianças que participaram deste estudo relataram problemas neurológicos e baixo QI. O British National Childhood Encephalopathy Study (NCES) de 1981 estimou que o risco de uma criança previamente saudável desenvolver um problema neurológico grave dentro de sete dias após a vacinação DPT era de 1 em 110.000 vacinações DPT, e o risco de disfunção cerebral crônica era de 1 em 310.000 DPT vacinas.(24) Mais uma vez, algumas das crianças envolvidas no estudo relataram danos cerebrais que se manifestaram como "disfunções neurológicas, motoras, sensoriais, educacionais, comportamentais e de autocuidado".(25)

As vacinas pertussis acelulares atuais (DTaP/Tdap) ainda contêm toxina pertussis quimicamente inativada (10-25 mcg por dose) que retém quantidades variáveis ​​de bioatividade, o que pode induzir inflamação cerebral em alguns indivíduos. A Chiron, uma empresa que produziu uma vacina DTaP geneticamente modificada no início dos anos 90, explicou que uma das razões pelas quais a toxina pertussis inativada quimicamente é um problema para alguns: "A desintoxicação genética garante que nenhuma forma ativa da toxina pertussis esteja presente, enquanto as toxinas pertussis desintoxicadas quimicamente podem se tornar tóxicas novamente".(26)
No abrangente relatório de avaliação de evidências científicas, Efeitos adversos de vacinas: evidência e causalidade, publicado em 2012 pelo Instituto de Medicina dos EUA, um painel de médicos avaliou 26 eventos adversos relatados após a vacina DTaP/Tdap.(27)

A maioria dos neurologistas pediátricos reconhece que a vacinação, incluindo o uso de vacinas contra varíola, raiva, influenza, caxumba, sarampo, tétano, poliomielite e coqueluche, pode e ocasionalmente causa complicações neurológicas que podem levar à disfunção cerebral permanente.(28)


A vacina pertussis, morte e SIDS

Em 1933, o cientista de vacinas dinamarquês Madsen descreveu a morte de duas crianças poucas horas após a vacinação.(29) e foi a primeira reação associada à vacina pertussis.
Não é possível saber o número de mortes relacionadas à vacina pertussis que ocorrem todos os anos na Itália, já que quase todas as mortes de recém-nascidos, mesmo após a vacinação, estão automaticamente relacionadas a uma síndrome genérica de morte súbita infantil (SIDS). . SIDS geralmente envolve a morte súbita e inexplicada de um recém-nascido, sem sintomas de problemas médicos antes que o bebê seja encontrado sem vida. Bebês que morrem após apresentarem sintomas de reação à vacina contra coqueluche (como gritos estridentes, colapso, letargia extrema, convulsões) não atendem aos critérios gerais para SIDS, mas raramente são relatados como mortes relacionadas à vacina.(30-31-32)

Este artigo foi resumido e traduzido por Centro Nacional de Informações de Vacinas.

NOTA IMPORTANTE: A Corvelva convida-o a obter informação aprofundada através da leitura de todas as secções e links, bem como dos folhetos dos produtos e fichas técnicas do fabricante, e a falar com um ou mais profissionais de confiança antes de decidir vacinar-se a si ou ao seu filho. Esta informação é apenas para fins informativos e não pretende ser um conselho médico.

Recomendamos que você leia também...

Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.