A vacina rotavírus pode causar ferimentos e/ou morte?

A vacina rotavírus pode causar ferimentos e/ou morte?

A vacina rotavírus pode causar ferimentos e/ou morte?

NOTA IMPORTANTE: A Corvelva convida-o a obter informação aprofundada através da leitura de todas as secções e links, bem como dos folhetos dos produtos e fichas técnicas do fabricante, e a falar com um ou mais profissionais de confiança antes de decidir vacinar-se a si ou ao seu filho. Esta informação é apenas para fins informativos e não pretende ser um conselho médico.

As vacinas são produtos farmacêuticos e, como todos os produtos farmacêuticos, apresentam um risco biológico de lesão ou morte que pode ser maior para alguns do que para outros. O risco de lesão ou morte decorrente da vacinação depende da(s) vacina(s) administrada(s) e da condição médica do indivíduo no momento da vacinação, histórico de reações à vacina e histórico médico pessoal ou familiar.

Existe uma lacuna no conhecimento médico em termos de prever quem terá uma reação adversa à vacinação, incluindo reações à vacina contra o rotavírus, e quem não terá.(1)

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, vômitos e diarreia leves e irritabilidade podem ocorrer após a administração da vacina contra o rotavírus. O uso de vacinas contra o rotavírus também está associado a um risco aumentado de intussuscepção, uma obstrução intestinal grave que requer atenção médica e pode exigir cirurgia. O CDC estima que esse risco aumentado de intussuscepção ocorre na primeira semana após o recebimento da primeira ou segunda dose da vacina, a uma taxa de um em 20.000 para um em 100.000 bebês que recebem a vacina.(2)

O CDC também reconhece a presença de DNA de circovírus suíno em vacinas contra rotavírus, mas informa que não há problemas de segurança conhecidos relacionados a esses contaminantes e que os vírus não infectam pessoas.(3)

Os eventos adversos relatados pela Merck na bula da vacina RotaTeq incluem:(4)

  • Eventos adversos comumente relatados: Vômitos, diarreia e irritabilidade, febre, otite média, nasofaringite e broncoespasmo.
  • Eventos adversos graves relatados: intussuscepção, bronquiolite, pneumonia, febre, gastroenterite, infecção do trato urinário, hematoquezia (sangue fresco nas fezes), convulsões, doença de Kawasaki, reação anafilática, urticária, angioedema e morte.

Os eventos adversos relatados pela GlaxoSmithKline na bula da vacina rotavírus vivo ROTARIX incluem:(5)

  • Eventos adversos comumente relatados: diarreia, agitação/irritabilidade, tosse/coriza, febre, perda de apetite e vômito.
  • Eventos adversos graves relatados: Intussuscepção, doença de Kawasaki, hematoquezia, gastroenterite com disseminação viral da vacina em lactentes com imunodeficiência combinada grave (SCID), púrpura trombocitopênica idiopática, convulsões, pneumonia e morte.

A reação adversa grave mais comumente relatada associada às vacinas contra o rotavírus é a intussuscepção. A intussuscepção ocorre quando parte do intestino puxa para dentro e pode bloquear a passagem de alimentos pelos intestinos. Se houver um fluxo de sangue para a parte afetada do intestino, pode ocorrer a morte desse segmento do intestino. Além disso, se ocorrer um orifício no intestino, pode levar a infecção, desidratação, choque e pode ser fatal.(6-7) Tanto a RotaTeq quanto a ROTARIX, as duas vacinas contra rotavírus disponíveis na Itália, podem causar intussuscepção. 

Além da intussuscepção, as vacinas contra o rotavírus foram associadas à doença de Kawasaki, uma condição infantil que causa inflamação das paredes dos vasos sanguíneos do corpo. Notavelmente, nos ensaios clínicos de Fase 3 da RotaTeq, as taxas de doença de Kawasaki dentro de 42 dias após a administração da vacina foram maiores entre as crianças que receberam a vacina do que entre aquelas que não receberam. Casos publicados e relatos de doença de Kawasaki após a vacinação com RotaTeq também foram notificados ao Sistema de Relato de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) dos EUA após a comercialização. Alguns estudos, no entanto, não encontraram risco aumentado de doença de Kawasaki após a administração da vacina contra rotavírus.(8-9)

Em 22 de março de 2010, a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA anunciou que tomou conhecimento de que uma equipe de pesquisa acadêmica independente dos EUA encontrou DNA do circovírus suíno 1 (PCV1) na vacina ROTARIX. A FDA recomendou que os profissionais de saúde suspendessem temporariamente o uso da vacina ROTARIX nos Estados Unidos, aguardando aprender mais sobre o PCV1; no entanto, foi declarado que este achado não representava uma preocupação de segurança e que o PCV1 não era conhecido por causar doenças em humanos ou outros animais.(10) Em 14 de maio de 2010, o FDA dos EUA anunciou que revisou as evidências científicas e determinou que a vacina era segura e que o uso do produto deveria continuar.(11) O PCV1 continua a ser um contaminante da vacina ROTARIX.(12)

Em 7 de maio de 2010, o FDA anunciou que a vacina RotaTeq estava contaminada com DNA de dois circovírus suínos: PCV1 e PCV2. Embora o PCV1 não tenha sido associado a doenças clínicas em suínos, o PCV2 era conhecido por ser um vírus suíno letal, causando imunossupressão e doença debilitante grave em filhotes de suínos, com problemas pulmonares, renais, reprodutivos e cerebrais e, finalmente, morte. Em 22 de março de 2010, o FDA recomendou a suspensão temporária do uso da vacina ROTARIX após a identificação do DNA do PCV1 no ROTARIX, mas não solicitou a suspensão do uso da vacina RotaTeq após o PCV2 ter sido encontrado no RotaTeq.(13) Até o momento, PCV1 e PCV2 continuam a contaminar as vacinas RotaTeq.(14)

Este artigo foi resumido e traduzido por Centro Nacional de Informações de Vacinas.

 
Corvela

Publique o módulo Menu na posição "offcanvas". Aqui você pode publicar outros módulos também.
Saber mais.

0
comparatilhe